Para ler

    Sou um objeto de consumo

    25/07/2017

    Sou um objeto de consumo porque me consumo em coisa. Sou um objeto de consumo porque consumo, porque com sumo – ou sem – acabo-me consumindo até o que não se tem. Sou um objeto de consumo que se consome comendo, bebendo, perdendo, gastando, lambendo, dizendo, querendo. Sou um objeto de consumo consumindo o inconsumível da existência. Sou um objeto de consumo que se deixa levar a prazo, à vista, sem lista, sem preço nem registro de estoque. Sou um objeto de consumo que não se consome porque não se tem. Sou um objeto de consumo que se deixou consumir nas coisas vazias espalhadas pelas prateleiras da vida. Sou um objeto de consumo em exposição em galerias de arte, em vitrines de marcas famosas, em réplicas de camelôs. Sou um objeto de consumo, sonho de desejo da vida alheia. Sou um objeto de consumo de carne, de osso, de olhos que tateiam o desperdício do olhar, do ver, do viver. Sou um objeto de consumo que não tem bula, que não tem remédio, que não traz embalagem, que não traz atrás. Sou um objeto de consumo que se consome no dia a dia, no noite a noite, no tarde a tarde. Sou um objeto de consumo que sonha que sonha, que diz que diz, que faz que faz. Sou um objeto de consumo que muda de pose, que dobra as juntas, que junta as dobras, que se refaz. Sou um objeto de consumo que se come, que se bebe, que se perde, que se gasta, que se lambe, que se diz, que se quer no consumir. Sou um objeto de consumo que só quer sumir. Sou um objeto de consumo despercebido no consumível das coisas diárias e breves e breves e tão breves que não se tem tempo de se perceber. Sou um objeto de consumo que não se percebe, que se passa direto, que se olha torto, atravessado, atravessado pelos olhares que se cruzam sem se consumir, sem se consumar, sem se com. Sou um objeto de consumo de massa, de farinha, de amassar, de se jogar fora, de sumir, de se existir para se descartar. Sou um objeto de consumo porque sou um objeto de gente. Sou um objeto de gente de consumo porque sou um objeto de ter. Senão, seria só gente. Um objeto descartável de ser.

     

    Crédito da Foto: Tanner Mardis.

  • Para ler

    Mi casa, su casa.

    Seja bem vindo, bem vinda, bem vindxs, bem… Aqui todo mundo entra, todo mundo esquenta, todo mundo é gente de bem. Pode chegar, não precisa trazer nada, nem o pé no tapete limpar. Bater…

    25/07/2017
  • Para ler

    Mulher

    Quero ser mulher para poder ser mãe, ser pai ou para nunca querer ter filhos. Mulher para casar com homem, com mulher ou com a pessoa que eu quiser. Mulher para morrer virgem ou…

    21/07/2017
  • Para ler

    Adeus você, olá eu.

    Te dizer adeus foi uma das palavras mais bem ditas da minha vida. Te dizer adeus foi muito mais do que um simples goodbye. Te dizer adeus foi dizer chega de você me colocando…

    20/07/2017
  • Para ler

    Vazios compartilhados

    Às vezes acordamos tristes. Coisas acontecendo. Vazios aparecendo. Mas a vida também é feita de lacunas. Existir também é vazio. Existir também pede que nós abracemos fantasmas… Saber lidar com o que ainda não…

    19/07/2017
  • Para ler

    O lobo e a sereia

       Ele saía de uma peixaria, ela de uma casa de algas. Se esbarraram. Foi amor à primeira vista. Ele escondeu o saco de peixes nas costas. Ela viu, e fingiu não ver. Ele…

    19/07/2017
  • Para ler

    No lugar de ex

    Você abre seu Facebook. De cara, a foto dele com uma outra ela. Ou dela com um outro ele. Ou dela com uma outra ela. Ou dele com um outro ele. O gênero aqui…

    18/07/2017
  • Para ler

    Descontraída

    Eu era muito séria. Andava de cara fechada. Bico. Emburrada. Pra tudo era uma reclamação. Pro mínimo, um problemão. A vida era um subir de escadas, uma coisa amarrada, uma porta emperrada, uma praia…

    18/07/2017
  • Para ler

    O mês da sua chegada

    Julho chegou e você veio junto com ele. Abriu a porta como se fosse a própria entrada. Se anunciou apenas com um olhar. E um sorriso. Que me atravessou como as estradas atravessam os…

    18/07/2017
  • Para ler

    Balanço

    Quando eu era criança, meu pai me botava no balanço e me dizia: ‘vai, filha, voa, olha pro céu, olha pra nuvens, olha o mundo, tá vendo?, tudo é amplo, tudo é azul. E…

    18/07/2017